O Caderno do Algoz

  • Title: O Caderno do Algoz
  • Author: Sandro William Junqueira
  • ISBN: 9789722120326
  • Page: 204
  • Format: Paperback
  • O Caderno do Algoz Da contracapa Do alto do muro a vista era ambivalente de um lado esperava o um campo acesso de lajes aqui jaz aqui jaz Um campo de ossos fotografias e epit fios semeados por mensagens de despedida
    Da contracapa Do alto do muro a vista era ambivalente de um lado, esperava o um campo acesso de lajes aqui jaz, aqui jaz Um campo de ossos, fotografias e epit fios semeados por mensagens de despedida ou saudade e ardentes chamas tr mulas Enquanto do outro se apresentava a cidade fantasmagoricamente iluminada pelas luzes indecisas dos candeeiros guardada pelos c esDa contracapa Do alto do muro a vista era ambivalente de um lado, esperava o um campo acesso de lajes aqui jaz, aqui jaz Um campo de ossos, fotografias e epit fios semeados por mensagens de despedida ou saudade e ardentes chamas tr mulas Enquanto do outro se apresentava a cidade fantasmagoricamente iluminada pelas luzes indecisas dos candeeiros guardada pelos c es vadios e as gruas de a o Onde, dentro das casas e edif cios, supostamente deitados sobre colch es e len is pestilentos, os peitos dos homens e das mulheres horizontais, cravados de dios e de maledic ncias, levantavam se e baixavam se ao ritmo de inspira es e expira es mais ou menos inconscientes Eles respiram, pensou o amputado.

    • ↠ O Caderno do Algoz || ↠ PDF Read by ✓ Sandro William Junqueira
      204 Sandro William Junqueira
    • thumbnail Title: ↠ O Caderno do Algoz || ↠ PDF Read by ✓ Sandro William Junqueira
      Posted by:Sandro William Junqueira
      Published :2020-03-12T03:03:22+00:00

    About Sandro William Junqueira


    1. Sandro William Junqueira nasceu em 1974 em Umtali, na Rod sia Em 1976 volta para Portugal Em 1986 foi viver para Portim o Em 1998 come a a trabalhar como designer Em 1999, juntamente com o Paulo Quaresma, funda o grupo de teatro A Gaveta Desde a , trabalha como respons vel art stico, encenador e ator A partir de 2002, publica com regularidade poesia e contos em revistas e fanzines regularmente convidado para recitais de poesia Em 2007 inicia um trabalho regular em escolas e bibliotecas com a cria o e interpreta o de diversos ateliers e espet culos vocacionados para a promo o do livro e da leitura.


    872 Comments


    1. Ontem a Margarida colocou na sua lista "to-read" o livro Um Piano para Cavalos Altos do Sandro William Junqueira. Por coincidência tinha lido no Expresso de sábado que este era um dos autores "promessa" da literatura portuguesa. Ora eu já tinha lido há algum tempo O Caderno do Algoz e não tinha ficado muito impressionado. Decidi reler e não mudei de opinião. Com efeito, já estou a ficar sem paciência para "experimentalismos literérios" e a forma como o autor parece que sorteou aleatori [...]

      Reply

    2. Uma espécie de pulp fiction com pouca polpa e muita badalhoquice. Consigo imaginar algumas cenas (principalmente de sexo alternativo) dirigidas pelo Tarantino e acho que a coisa era capaz de resultar. Gostei da ilustração da capa, com o pormenor do cão no ante-braço, ainda pensei que fosse do autor do texto, mas não. Escrita demasiado crua para o meu gosto, muito mal passada, a escorrer sangue. Eu gosto de literatura suculenta, mas não tão mal passada. Se o livro não fosse tão pequeno [...]

      Reply

    3. Parece um exercício de estilo para "No Céu Não Há Limões" (ainda não li "Um Piano para Cavalos Altos"). Nota-se perfeitamente a construção dos alicerces do universo de SWJ. Interessante a forma de cronologia desconexa (analepses, prolepses e demais anacronias), mas que traz alguma confusão à narrativa. Peca pela falta de "character development" e pelo facto de ser mais uma manta de retalhos do que um argumento relativamente sólido. Um promissor começo, contudo.

      Reply

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *